domingo, 17 de fevereiro de 2013

O anticoncepcional e a vida das mulheres, por Raquel Duarte

por Raquel Duarte*

No início deste mês, nós da MMM/Caxias do Sul fomos surpreendidas com uma notícia que nos deixou muito tristes e indignadas. Uma companheira feminista contraiu trombose no braço, provavelmente pelo uso do anticoncepcional Diane 35. Confira a aqui a reportagem: http://www.folhadecaxias.com.br/noticia/Os+riscos+de+uma+pilula+ainda+aceita+aqui/3100
Ficamos tristes pelo estado de saúde da nossa companheira (que recebeu alta e se recupera bem!) e indignadas por ver mais uma consequência desta sociedade capitalista e patriarcal que tem o lucro com principal objetivo, sem se preocupar com a vida das pessoas.

Após muitos anos de comercialização desta pílula anticoncepcional em todo o mundo, foi preciso a morte de diversas mulheres, e outras centenas de casos de trombose para que finalmente um país resolvesse ir mais a fundo na discussão sobre os reais riscos do uso desse tipo de tratamento de reposição hormonal.  
E olha que esse tema não é nenhuma novidade, inclusive, nas ‘bulas’ de praticamente todos os anticoncepcionais constam o alerta referente ao risco de trombose arterial ou venosa. Outra informação que consta nas bulas é referente ao perigo de fumar e tomar o anticoncepcional.

Aí fica um questionamento: como pode a indústria farmacêutica não ter evoluído nesse sentido, de aprimorar os anticoncepcionais, de criar outros métodos seguros de prevenção da gravidez? E mais, por que são as mulheres que devem controlar sua fertilidade com anticoncepcionais que alteram totalmente seus hormônios e enfrentar os efeitos colaterais e os riscos de saúde?
Todos sabem que fumar faz mal à saúde, mas para as mulheres pode ser mortal. E não por complicações ligadas ao pulmão e respiração como se espera. E sim, por tentar se prevenir e não engravidar, tomando anticoncepcionais (método mais recomendado por todos/as os/as ginecologistas além da camisinha que também previne doenças).

Foi proibida na França a venda do Diane 35, e provavelmente outros países siga o mesmo exemplo. Mas de que adianta a proibição deste em específico se vários outros contêm os mesmos componentes que causam riscos à saúde da mulher? De nada adianta. O que precisamos é de uma transformação na medicina e na indústria farmacêutica. Precisamos é de mais investimentos em pesquisas referente à saúde da mulher, para que produtos em que haja a mera suspeita de riscos de vida seja de imediato proibida a comercialização.
Enquanto isso, a nós mulheres resta apenas fazer um opção: fumar, tomar anticoncepcional, contar só com a camisinha, engravidar??? Afinal, se a tarefa do cuidado e da educação já é uma tarefa culturalmente imposta às mulheres, a tarefa da prevenção da gravidez seria de quem, não é?

Para entender melhor sobre o tema dos anticoncepcionais, leia o texto “O Diane 35 e nossas escolhas” de autoria da companheira Ana Cristina Pimental, no blog da Marcha Mundial das Mulheres - Feminismo 2.0 até que todas sejamos livres: http://marchamulheres.wordpress.com/2013/02/15/o-diane-35-e-nossas-escolhas/

* Raquel C. P. Duarte – advogada e militante da Marcha Mundial das Mulheres/

Nenhum comentário:

Postar um comentário