segunda-feira, 11 de junho de 2018

Nota de Repúdio a Violência sexista em Esteio/RS

“FALTA DE MANGO” - “FALTA DE DOMA” 

O piquete “Mulheres na Revolução” da Marcha Mundial das Mulheres, com todas as entidades e representantes de movimentos feministas escreve esta nota repudiando totalmente o ato de machismo, misoginia e apologia à violência contra as mulheres, expressado recentemente pelo grupo de whatsapp “Piquetes de Esteio. 
O ato começou após uma postagem da conselheira tutelar da cidade de Esteio,patroa e fundadora do piquete “Mulheres na Revolução”, Janaina Santos, que ao divulgar o card de seu programa “Fala Conselheira”, na renomada rádio TV Jornal Destaque - empresa de comunicação com 52 anos de atuação no município e grande apoiador da Semana Farroupilha - foi alvo de ataques de alguns dos participantes do grupo que a ofenderam com expressões machistas, precipitadas e violentas. Desde apontamentos de que a divulgação do card do programa teria cunho de “promoção pessoal”, chegando a comentários de que aquilo era “falta de mango”, e “precisa ser domada para não repetir o erro para mais frente cair da boca”, e assim como imagens de faca e animais postados por membros do grupo, fizeram com que a postagem no grupo tomasse proporções de absurdo linchamento de Janaína por participantes, em especial, do sexo masculino do Movimento dos Piquetes de Esteio. 
O sectarismo praticado por parte dos componentes os cega, levando a desconsiderar que existe a participação de crianças e adolescentes nos piquetes, nos CTG ́s, e em todas as atividades do acampamento farroupilha na cidade. 
O conselho tutelar é um órgão que serve de proteção aos menores, protegendo-os de atos ilícitos muitas vezes praticados dentro do próprio acampamento, e que todo e qualquer assunto referente às crianças e adolescentes é sim pertinente ao órgão, e um dever de todos os cidadãos conhecer sobre as leis que regem a defesa de crianças e adolescentes. 
Todos deveriam ter conhecimento sobre a atuação do Conselho no desenvolvimento de projetos voltados para a infância, e que durante a Semana Farroupilha, estes projetos são apresentados aos piquetes pelo órgão. Portanto, a divulgação de um convite para ouvir o programa na rádio e TV Destaque – “Fala Conselheira”, era apenas uma forma de tornar estas ações mais conhecidas em todas as instâncias, especialmente naquelas onde o Conselho Tutelar possui grande número de atendimentos. 
Apenas por esta razão: O piquete “Mulheres na Revolução”, sempre apresentou nos seus projetos a defesa dos direitos humanos, a participação das mulheres, de crianças e adolescentes, dos esquecidos na história como a população negra, visando a remoção das barreiras históricas e culturais, além de defender a união dos gêneros para a construção de uma nova sociedade. Devido a esses atos expressados pelos integrantes do “Movimento dos Piquetes de Esteio”, é que resolvemos tornar público este fato que acorreu com a conselheira Janaína Santos, através desta carta de repúdio, pois nos preocupa o fato de que estas são as práticas que verificamos sempre em nossos atendimentos, sendo reproduzidos e ensinado inclusive para as crianças. 
Um dos participantes do movimento escreveu que Janaína sofria de “falta de mango”. De acordo com o vocabulário tradicionalista a palavra “mango” faz referência a um objeto, um relho ou tala de couro cru, com cabo de madeira revestido de couro, com um fiel, para ficar pendurado no pulso do peão, usado na doma de potros ou potrancas”. 
Para muitas pessoas, o mango é um símbolo que remete a um poder sádico, neste caso, o poder do opressor contra o oprimido. Do gaúcho contra o cavalo, do homem contra o animal, e por aí vai. Assim como “Doma”, nada mais é do que uma maneira de dominação. Defender a utilização da força de um mango sobre uma mulher para ferir sua integridade física, ou até mesmo defender que a “falta de mango” é o que ocasiona um determinado tipo de comportamento é sem dúvida uma postura que vai contra as próprias leis brasileiras. E para alguns que talvez ainda não saibam (o que duvido muito), ou melhor, que ignoram a existência da Lei n°11.340/06 - que segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), é uma das três melhores legislações do mundo no enfrentamento à violência contra as mulheres. Mas, para parte dos integrantes do movimento dos piquetes da cidade, esta Lei ainda não é bem compreendida, mesmo depois de doze anos de sua sanção pela Presidência da República. Apologia à atos de violência contra a mulher também se configuram como crime, além de ser uma vergonha para quem pertence de fato ao movimento tradicionalista e teve que observar este ato vindo de pessoas cuja a contribuição para o movimento torna-se questionável. 
Sabemos que o MTG (Movimento Tradicionalista Gaúcho), que em tese, deve regular a ação destes piquetes e de seus membros aderiu em agosto de 2017, à ação internacional “He For She – Eles por Elas”, promovida pela ONU, que visa envolver homens e meninos na remoção dos muros sociais que impedem as mulheres de atingir seu potencial, além de defender a união entre homens e mulheres para a construção de uma nova sociedade. 
É por esta e tantas outras razões que os comentários sobre a postagem da conselheira tutelar Janaína Santos, não pode ser tolerado pelas pessoas que fazem parte deste movimento que há muito tempo se esforça para conscientizar os homens e deixar o machismo do lado de fora. Incentivo à violência contra mulher como correção de comportamento não pode ser banalizado e defendido por este tipo de pessoas que necessitam de espaços concedidos pela Prefeitura Municipal de Esteio na Semana Farroupilha. 
Cultuar a tradição gaúcha é sobretudo respeitar as mulheres como seres humanos que são: iguais aos homens.



Assinam: 
Piquete Mulheres na Revolução 
Radio TV Destaque 
Conselho Tutelar Esteio
Marcha Mundial das Mulheres – RS
Associação das Mulheres Negras Municipal 
Marcha das Mulheres Negras Estadual 
Grupo Atitude em Movimento LEFFA – Liga DE Futebol Feminino de Esteio
ACHE- Associação da Cultura Hip Hop de Esteio 
Casa de Cultura Hip Hop de Esteio 
Gitanas de Alma- Grupo de Dança 
Cigana USE- União Skatistas de Esteio 
Ser Salgueiro- Associação Carnavalesca 
ACONTURS- Associação dos Conselheiros Tutelares do RS 
Flamengo- Associação Esportiva 
SISME- Sindicato dos Servidores Municipal de Esteio 
M2 Laboratório Criativo 
Advogacia- Caroline Bettim

16 comentários:

  1. Tive acesso aos conteúdos do whats app descrito na nota de repúdio, e não foi bem assim, mas como tudo se destorce nesse país que não esperaria outra coisa da reclamadora.

    ResponderExcluir
  2. Acho que a conselheira,patroa ou sei lá o quê, deveria deixar de "mimimi" e trabalhar pra pagar
    suas contas que não são poucas. Fez um tremendo barulho junto com outra conselheira pq o carro do Conselho Tutelar foi recolhido ao depósito, e o seu carro particular tem uma dívida maior que seu valor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como é que tu tens acesso ao RENAVAM do carro da conselheira? Ou tu estás mentindo ou tu estás praticando desvio de finalidade no serviço público. Envio cópia ao Ministério Público. Bom dia!

      Excluir
    2. tenho acesso sim. quer ver?

      Excluir
    3. E questiono sim pq eu pago ipva do meu carro e em dia, e bem caro e acho que todos devem pagar. cambada de baderneiros.

      Excluir
  3. Politicagem esse câncer de instalou em nossa vida nossa cultura esse jogo mesquinho de interesses pessoais está acabando até com o orgulho do gaúcho pois na minha opinião o resto do país já tá perdido como diz nosso Ino "povo que não tem virtude acaba por ser escravo " e esse tipo de frescura e a prova de que estamos nos rebaixando

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Frescura é tu, quase chorando porque estão atrapalhando ou teu brinquedo de machista! Tradicionalismo e cultura gaúcha são coisas bem diferentes de grosseria e violência! Deixa de ser fresco!

      Excluir
  4. Covardões enchem a cara de cachaça e acham que são tradicionalistas! Gente invejosa que não enfrenta a metade dos desafios que a Janaína enfrenta, esconde a carinha e vem aqui difamar uma pessoa que trabalha duro, enfrentando a violência contra as crianças e ameaças aos conselheiros tutelares. Muito machão de internet ficaria com medo de enfrentar o que eu já vi conselheira mulher enfrentando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não permitiremos que a cultura gaúcha seja distorcida por homens que não somem sensibilidade e trate as mulheres como objeto de violência, chega do patriarcado governar nossas vidas. Cultura e uma coisa para somar e redistribuir, não para discrimar e nem tirar proveito próprio Não passarão, mexeu com uma mexeu com todas! Nós Mulheres...

      Excluir
  5. Questionar sobre o carro do CT é prioridade da gestao publica, correta a conselheira. Agora ataque pessoal é falta de argumento sobre o ato machista e de apologia a violencia.

    ResponderExcluir
  6. Bem típico de COVARDES usarem de ofensas machistas, isto se faz quando não se tem argumentos, a vida particular de uma pessoa só diz respeito a ela a ninguém mais. Fica parecendo que é mimimi de quem perdeu a razão e apela para respostas sem fundamento.

    ResponderExcluir
  7. Otimo nota do movimento, assim que se faz!!!
    Ataque pessoal, injurias causa Danos Morais. Parabens gurias pela boa defesa e combate ao machismo patriarcal e capitalista, que tambem é forte e varios comentarios no posts mostram isso.

    ResponderExcluir
  8. Acertada nota e a postura da companheira Janaína só é comprovada pelos ataques aqui colocados. Deixaremos aqui exposto a violência machista que sofrem as mulheres feministas que se atrevem a ocupar o lugar que quiserem, no piquete, nas lidas da vida e dos movimentos gaúchos.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Isso é querer se promover, querer ibope!

    ResponderExcluir
  11. A vida particular de alguém não tem nada a ver com a questão que está sendo denuncido.
    Este tipo de argumento não é relevante.
    O machismo sim é relevante e tem sim que ser mostrado e denuciado.
    Mulher pode sim e deve estar a onde quiser estar.
    E porque não podemos ter um piquete ou ter um bloco de Carnaval ou seja lá o que for.
    Somos mulheres sim e temos que ter orgulho disso pois os homens vêm ao mundo através de nós.
    Agora não podemos aceitar já mais ser Agredida verbalmente, pcicologicamente e muito menos fisicamente.
    Mulheres unidas por igualdade.
    É isso aí não temos que nos calar.

    ResponderExcluir